SINOPSE

O Brasil é um dos principais países no cenário de produção cultural e de entretenimento e esse é um dos seus melhores itens de exportação. O autor nos conta alguns casos exitosos do mercado e nos ensina os passos mestres do empreendedorismo cultural.

SOBRE O AUTOR

LUIZ CALAINHO é um carioca nascido na Suíça, em 1966. O pai era piloto de avião. E desde menino Calainho voava alto. Aos 11 anos, montou o primeiro negócio: uma equipe de som. Logo que saiu da faculdade de comunicação virou um homem de um milhão de dólares, como executivo da Brahma.

Da cervejaria saltou para o cargo de vice-presidente da Sony Music. E da confortável cadeira de alto gestor de uma multinacional, pulou sem paraquedas no próprio negócio, tornando-se um dos empresários do segmento de entretenimento mais conhecidos do país.

Mora no Rio de Janeiro e em São Paulo, e afirma: “Se o mundo está indo para cá, quero ir para lá.”

DEPOIMENTOS

"Calainho e eu já tínhamos várias parcerias de sucesso: Jota Quest, Shakira, grandes artistas... Nós dois estávamos sempre criando projetos em conjunto, que envolviam a minha rádio e a companhia que ele trabalhava, a Sony Music.”
Antônio Augusto de Amaral Carvalho Filho, o Tutinha
"Em busca de mão de obra jovem, fui entrevistar vários estudantes. Eu o escolhi pelo jeito proativo, comunicador. Moleque, já era assim: tinha o afã de contribuir em tudo.”
Sérgio Horovitz
"Sou amigo do Calainho há muito anos (...) A minha parceria com o Calainho é a de dois amigos que têm total cumplicidade, admiração e respeito. Ele é um avião, ligado na tomada 24 horas por dia. Nós, certamente, nos complementamos”
Alexandre Accioly
"Eu dava muito valor à vida mais intelectual, apesar de ser dona de casa, de não trabalhar. Por isso, eu fazia questão que eles se engajassem em coisas culturais. Todo fim de semana pegava os três e levava para o Teatro Casa Grande, para o Canecão."
Maria Helena, mãe do autor
"O Calainho tem uma energia muito positiva e isso é muito estimulante. Ele pensa lá na frente... Eu diria que o Calainho tem o dom da visão.”
Aniela Jordan
"Eu falava para a minha mulher: ‘Se eu tivesse dinheiro eu compraria esse 'menino.’ Sabe uma criança que você já sabe exatamente o que vai se tornar?"
Roberto Menescal
A nova Brahma precisava de gente com capacidade de risco, agressiva, arrojada, criativa. Apesar de jovem, o Calainho encaixava-se perfeitamente. E começamos, nós dois, a reconstruir o marketing da Brahma. Com o passar do tempo, ele se mostrou ser exatamente aquilo que o Marcel (Teles) e eu achávamos que seria. O Calainho é destemido.”
Alberto Cerqueira Lima